Convergência Digital


Convergência Digital

Matéria publicada no site Convergência Digital, em 12/11/2010, de autoria de Ana Paula Lobo.

“Banda Larga incentiva novos atores no mercado de fibra óptica no Brasil

Não são só as grandes concessionárias que estão reforçando as suas infraestruturas de rede para atender a demanda por banda larga no Brasil. Elas terão competição pela frente, principalmente, quando se pensa em regiões como Nordeste e Norte.Para ofertar links de conexão à banda larga para os pequenos e médios provedores Internet do país, a Hostlocation, empresa de webhosting, constrói a sua infraestrutura própria de fibra óptica nas principais cidades do país.

A empresa, inclusive, já se tornou um PIX do PTTMetro, ponto de troca de tráfego (PTT), em São Paulo e no Rio de Janeiro, e estuda montar também no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. E disposta a concorrer com às concessionárias de maior porte, fecha acordos operacionais com empresas como a Transit Telecom.

Em entrevista ao Convergência Digital, o diretor-executivo da Hostlocation, Marcelo Safatle, admite que a construção de rede própria de fibra óptica virou um diferencial de concorrência, especialmente, na oferta de meios de transmissão para terceiros. Nos últimos dois anos, por exemplo, os aportes de recursos nessa unidade de negócios chegou a R$ 4 milhões, a maior parte alocada na construção da malha entre São Paulo e Campinas.

“Falta fibra óptica no país. Essa é a realidade. Há uma grande oferta em alguns pontos das grandes cidades. Esse é um mercado que queremos atuar, mas sendo provedor para os prestadores de serviços Internet ou para parceiros, como é o caso da Transit Telecom. A gente usufrui da rede deles onde não temos e eles usufrem da nossa onde eles não possuem fibra. Com isso, temos diferencial para seremos bastante competitivos”, destacou o executivo.

Nessa estratégia, a Telebrás – ao contrário da visão das grandes concessionárias – é vista como um potencial parceiro. “Eles terão fibra óptica onde ninguém chega. Até mesmo em Campinas, onde eles vão ter presença, a rede deles vai passar onde não há fibra de nenhum outro provedor, inclusive a nossa”, salienta Safatle.

Segundo ele, com mais fibra é possível reduzir o custo do megabyte. Aliás, esse preço elevado assusta. Com operação também nos EUA – mas na área de datacenter – Safatle observa que aqui, o custo do megabyte é até 10 vezes mais caro do que o cobrado no mercado norte-americano.

“Sei que há diferenças entre os países, questões tributárias, mas essa diferença é muito grande. O que acontece é que aqui falta rede, falta infra”, atesta.Exatamente por isso, ser um PIX do PTTMetro é estratégico – ponto de interconexão de tráfego – para os planos da Hostlocation, principalmente, em áreas com demanda reprimida como o Nordeste.

“Atualmente um provedor de internet nessa região, por exemplo, compra link de grandes operadoras por preços que ultrapassam a R$500,00 por megabyte. Utilizando um transporte em fibra ótica até o nosso PIX, em São Paulo, essa empresa pode obter uma severa redução de custos e aumento de qualidade de conexão graças ao PTTMetro, explica Safatle.

O executivo acrescenta ainda que, dessa forma, a empresa usuária ainda terá melhor desempenho de rede do que comprando banda de um terceiro, pois terá o caminho é mais curto até o local onde as operadoras trocam tráfego.

Para virar um PIX – que é atuar como um braço do PTT( que possibilita que outras empresas se conectem ao PTT através de sua rede) é necessário que a empresa possua rede de fibra ótica, possibilitando tráfego de grandes volumes de dados entre seu data center e o PIX Central; e data center próprio para assegurar a operação dos equipamentos necessários.

O PTT é o nome dado ao sistema do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGIbr) que promove e cria a infra-estrutura necessária (Ponto de Troca de Tráfego – PTT) para a interconexão direta entre as redes (“Autonomous Systems” – ASs) que compõem a internet brasileira.

Um PTTMetro, por sua vez, é uma interligação em área metropolitana de pontos de interconexão de redes (PIXes), comerciais e acadêmicos, sob uma gerência centralizada. A atuação do PTTMetro volta-se às regiões metropolitanas do País que apresentam grande interesse de troca de tráfego de internet”

A transcrição dessa matéria é provocar a curiosidade em conhecer alguns assunstos não muito discutidos no forums especializados, que são formas alteranativas de se obter a interconexão entre os provedores de Internet e o conceito de PTT.

Fonte: Convergência Digital

Comente